Bem vindo à Clínica Dale

Horários : Segunda a sexta - 8h às 20h
   - Botafogo (21) 2543-3113 l 2543-1355 e Barra (21) 3502-2792

All Posts Tagged: fertilidade

CASA DO SABER RIO – A MEDICINA DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA: DEBATES E QUESTÕES

Carlos Dale, Luiz Fernando Dale, Mauricio Magalhães Costa, Tomaz Nassif
De 22 de outubro a 12 de novembro – Segundas-feiras – das 17h às 19h – 4 encontros

Quarenta anos depois do nascimento do primeiro “bebê de proveta” do mundo, o ano de 2018 marca
uma revolução na medicina. De lá para cá, uma revolução ainda maior ganhou espaço, com grandes
avanços diários. Estima-se que, desde que a menininha inglesa veio ao mundo, mais de oito milhões de
pessoas tenham nascido por meio de fertilização in vitro (FIV), segundo a Sociedade Europeia de
Reprodução Humana e Embriologia.

Nesse ciclo, a CASA DO SABER RIO reuniu quatro especialistas que promoverão um debate sobre
temas relacionados à medicina da reprodução assistida e irão esclarecer as principais questões que a
rodeiam, como a fertilidade e infertilidade e a menopausa

Inscrições
http://rj.casadosaber.com.br/cursos/a-mulher-no-seculo-xxi-um-olhar-da-medicina/comprar

Informações no Site da Casa do Saber
http://rj.casadosaber.com.br/cursos/a-mulher-no-seculo-xxi-um-olhar-da-medicina/mais-informacoes

Leia mais

Louise Brown, a primeira bebê de proveta do mundo completa 40 anos.

Ela foi fruto de fertilização in vitro, após os pais tentarem engravidar durante nove anos.

Louise Brown, a primeira bebê concebida a partir da FIV (Foto: Reprodução Twitter)

Há 40 anos, Louise Brown é conhecida por ser o primeiro bebê do mundo a nascer através de fertilização in vitro, um método inovador na época que deu esperança a milhares de casais inférteis. A notícia do nascimento de Louise Brown, no dia 25 de julho de 1978, em Oldham, uma cidade do interior de Inglaterra, correu o mundo e gerou grandes debates acerca da nova técnica de reprodução assistida desenvolvida pelos cientistas Patrick Steptoe e Bob Edwards, que recebeu o Prêmio Nobel da Medicina em 2010.

Ao longo da vida, Louise Brown, que já trabalhou como enfermeira e é atualmente funcionária dos correios, tem contado a sua história em várias organizações e participado em vários eventos.

Em dezembro de 2006, Louise deu à luz ao primeiro de dois filhos, concebido por vias naturais. Antes dela, a sua irmã Natalie, que também nasceu através da fertilização in vitro, teve o seu primeiro filho sem recorrer a técnicas de reprodução assistida, colocando um fim às dúvidas sobre se os bebês gerados em laboratório podiam conceber crianças pela via natural.

Numa entrevista quando fez 37 anos e lançou um livro sobre a sua vida, Louise Brown reconheceu que não foi fácil crescer debaixo dos holofotes, mas disse acreditar que valeu a pena e aconselhou os casais a nunca desistirem do sonho de serem pais.

Louise contou que, quando tinha quatro anos, os pais mostraram-lhe o filme do seu nascimento: “Eles fizeram-no porque em breve eu ia para a escola e receavam que as outras crianças mencionassem o assunto. E também porque sabiam que a mídia iria tentar me fotografar na escola e queriam me contar a razão desse interesse”.

Os pais de Louise – Leslie e John Brown – tentaram engravidar durante nove anos, sem sucesso. Coube à equipe de Patrick Steptoe e Bob Edwards proporcionar-lhes um filho através de um método então inovador que tinham desenvolvido na década anterior: a Fertilização In Vitro (FIV), que consiste na junção em laboratório dos óvulos com os espermatozoides, e posterior transferência dos embriões para o útero.

Louise foi o primeiro bebê de proveta (Foto: Reprodução/Twitter)

“Os meus pais me contaram que fui concebida de uma forma diferente das outras pessoas. Não tenho a certeza de ter entendido tudo na altura, mas tomei consciência de que era uma coisa diferente e que eu tinha sido a primeira no mundo”, acrescentou.

Assim que nasceu, Louise foi sujeita a “todos os tipos de exame” para avaliarem se era perfeitamente normal. “E eu era!”, afirmou. “Desde então, as pessoas aceitaram que ser concebida In Vitro não faz qualquer diferença para um ser humano”, disse.

Louise Brown realçou alguns dos aspectos positivos que resultaram do seu pioneirismo. “Adoro viajar e conhecer pessoas FIV – especialmente pequenos bebês – e é muito frequente as pessoas me abordarem e agradecerem por ter sido a primeira”.

“Francamente, acho que os verdadeiros pioneiros foram os meus pais e a equipe de Patrick Steptoe e Bob Edwards. Eu sou apenas o resultado do seu trabalho”, declarou.

Desde o nascimento de Louise, outras oito milhões de crianças vieram ao mundo com a ajuda da ciência, nomeadamente de técnicas de Procriação Medicamente Assistida (PMA) como a FIV.

Fonte: GazetaWeb

Leia mais

Reprodução humana e comunidade LGBT

Reprodução humana e comunidade LGBT

Enquanto homem ou mulher, ter filhos é uma alegria que qualquer um merece experimentar. É uma
das funções naturais do ser humano, o mesmo que tato, olfato etc. Não tê-los, poderá significar para
alguns uma lacuna de vida. Outros talvez aprendam a viver sem. Mas é impossível em algum momento
não se refletir sobre o assunto.

Nosso Centro sempre esteve na vanguarda, na oferta de serviços em Reprodução Assistida para todo e
qualquer indivíduo que queira ter filhos. Não fazemos nenhuma distinção quanto à orientação sexual,
apenas seguimos as normas do Conselho Federal de Medicina que impõe determinadas restrições.
Não importa em qual estagio da definição de sua orientação, estamos à disposição para ajuda-los a
conseguir a gravidez desejada, ou preservar a possibilidade de procriação em algum momento de sua
vida.

Estamos aptos a ajudar todos os indivíduos que pensam em um dia procriar usando seus próprios
gametas independente da definição pessoal de vida.

HOMOAFETIVOS FEMININOS:

Inseminação intrauterina: Esperma de Banco de Sêmen

Com útero e trompas saudáveis, uma simples inseminação artificial, poderá alcançar uma gestação. O
ciclo ovulatório é monitorado com a ultrassonografia, utilizando-se o ciclo natural ou estimulado.
Sabemos então o momento que ocorrerá a ovulação, descongela-se a amostra de sêmen, e por um
simples exame ginecológico, uma sonda muito fina e maleável, colocamos direto dentro da cavidade
uterina. A probabilidade de gestação é igual a natureza, dependendo da idade, em média 30/35%.
Quando algum fator tubário existe, uma fertilização in vitro poderá alcançar o objetivo.

Fertilização in Vitro Reciproca:

Mulheres homoafetivas, mesmo sem nenhum problema de fertilidade, pode escolher em extrair óvulos
de uma parceira, fecunda-los no laboratório, com esperma de Banco, e o embrião conseguido, é
transferido ao útero da outra parceira. Isto leva a ambas as parceiras estarem profundamente
envolvidas com esta gravidez.

A parceira que produzirá os óvulos será estimulada com hormônios naturais, aumentando o
recrutamento de óvulos pelos ovários. Este tratamento dura em média 15 dias, com controles de
sangue e ultrassom. No momento que os folículos chegaram ao tamanho ideal, por via vaginal
ultrassonográfica, com leve sedação, aspiramos estes óvulos. Encaminhados ao laboratório contiguo,
aonde serão inseminados pelos espermatozoides de Banco.

A parceira que receberá os embriões conseguidos será preparada em paralelo, com hormônios naturais
orais, para que o útero se prepare para receber o/os embriões.

Após 3 dias de cultivo no laboratório a parceira/receptora, retorna a clínica para a colocação do/dos
embriões no útero, por um simples exame ginecológico, seguido da transferência para o útero.

A chance de engravidar, pode variar de acordo com a idade da parceira/ doadora (idade do ovulo),
sendo em média de 30 a 45%.

De acordo com o Conselho Federal de Medicina a utilização do esperma de doador, só pode ser
utilizado anonimamente, a partir de Bancos de sêmen. É vedado o uso de sêmen de conhecidos, ou
irmãos e parentes.

HOMOAFETIVOS MASCULINOS:

A única possibilidade de concepção para homoafetivos masculinos é pela doação de óvulos e útero de
substituição.

A normatização do Conselho Federal de Medicina estipula que óvulos só podem ser doados
anonimamente, quanto ao útero de substituição, entre parentes até 4 * grau, pode ser utilizado.
Situações pontuais, de falta de um parente para carrear a gestação, pode-se através dos Conselhos
Regionais de Medicina, entrar com um processo bem embasado, para utilização de útero não
aparentado. O sêmen, no caso pode ser de um dos parceiros.

O tratamento feito através da fertilização in vitro, é semelhante ao acima descrito, sendo que o
anonimato da doadora é obrigatório.

TRANSGÊNEROS:

Você que nasceu com um sexo anatômico, mas considera-se do sexo oposto, passa por uma série de
decisões e definições durante a vida, até o momento que assume aquela orientação. Até o momento de
iniciar sua transição, muito tempo pode passar, ou há casos que este momento é mais rápido.
Obviamente dependerá de cada indivíduo, família, e ambiente social, e principalmente a idade.

A transição é o momento da assunção e a partir dali se submeterá a um tratamento, para uma
transformação física. Este tratamento envolve uma terapia hormonal, com medicamentos à base
Estrogênio (hormônio feminino) ou androgênio (hormônio masculino).

Ideal seria que antes do início desta mudança o indivíduo tivesse uma consulta com o especialista de
fertilidade, para elucidar as tantas questões em relação a Reprodução futura.

Transgênero masculino (nascido mulher):

A utilização de Testosterona (hormônio masculino) criará mudanças significativas no seu corpo,
incluindo parar de ovular, e ter ciclos menstruais. Os seios dependerão da idade de início do
tratamento. Já desenvolvidos, apenas a cirurgia plástica, com a sua remoção poderá resolver. A
fertilidade pode ser restaurada em alguns meses após a parada da reposição hormonal (mas não
garantida)

Antes da Transição: Através da inseminação ou da relação sexual antes de iniciar a reposição hormonal,
pode ser uma opção para certas pessoas. Muitos não querem passar por esta opção, pelo tempo ou
falta de decisão sobre o que quer no futuro.

Congelamento de óvulos

Você pode preservar a chance de engravidar, pelo congelamento de óvulos antes do início de sua
transição/ inicio de medicação. Este tratamento envolve a utilização de medicações para estimular os
ovários, por 15 dias, aspiração destes óvulos, por via vaginal e sedação leve. Os óvulos congelados
podem ficar eternamente neste estado sem perder o potencial. Importante compreender, que não
estamos guardando uma gravidez ou bebe, mas o potencial daqueles óvulos poderem lhe dar uma
gestação no futuro.

Congelamento de Embriões

Outra opção é fertilizarmos estes óvulos com esperma de seu parceiro ou de sêmen de um banco,
congelando já o embrião para uso futuro. Esta opção envolve outras questões como guardar um
embrião, que para alguns pode ser uma vida!

Concepção com doador

Se você tem uma relação com uma mulher, pode-se usar um sêmen de Banco de Sêmen, para se criar
uma família. Se este é solteiro/a, deverá engravidar antes do início do tratamento, ou fazer uso de uma
doadora ou útero de substituição. Aquelas com uma parceira não transgénero, poderão engravidar com
o útero desta e iniciar seu tratamento.

Ter um Filho após o início do tratamento

Se você é solteiro ou tem como parceiro um homem, e preservou a sua fertilidade, poderá engravidar
usando os óvulos congelados, com esperma dele ou de Banco, e colocado o embrião em você ou em
útero de substituição.

Se não congelou os óvulos, e não se submeteu a retirada dos ovários, poderá produzir óvulos a partir
da parada dos hormônios masculinos. Esta modalidade deve ser monitorada pelo seu médico, pois a
manutenção destes durante a gravidez poderá afetar a evolução, e genitália do bebe.

Se você tem como parceira uma mulher você pode considerar usar sêmen de Banco de Sêmen. Se seu
parceiro é um homem, poderá utilizar um óvulo doado e útero de substituição. Você será legalmente
ligada a este bebe, mas não geneticamente.

Transgênero mulher (nascido homem)

O hormônio utilizado é o Estrogênio (feminino) irá ao longo do tempo inibir a produção de
espermatozoides, e tornar difícil uma ereção ou ejaculação. Seria incerto a retomada de produção de
espermatozoides, após cessar o uso de hormônios, mas não é impossível. Entretanto opções
reprodutivas existem depois da terapia.

Concepção Natural

Se você tem uma parceira mulher, concepção pela relação sexual ou inseminação artificial é o mais
simples e barato método de iniciar uma família, mas pode ser emocionalmente difícil.

Congelamento de Esperma

O congelamento de esperma antes do início do tratamento hormonal é o mais simples, rápido e seguro
método de preservar a fertilidade dos espermatozoides. Usualmente colhido por masturbação em uma
clínica especializada, ou pode ser colhido em casa, em recipiente fornecido pela clínica. O sêmen é
guardado em alíquotas separadas, servindo cada uma para uma tentativa. Habitualmente
recomendamos guardar 6 a 8 alíquotas de uma ou duas coletas.

Aqueles que não conseguem colher podem ser aspirado sob anestesia diretamente do testículo.

Reprodução Assistida

Aqueles com parceira mulheres poderão usar esse sêmen, em uma inseminação ou fertilização in vitro,
e os com parceiros masculinos, utilizar, a doação de óvulos e o útero de substituição.

Após o início da terapia hormonal

Se você guardou o esperma e tem o relacionamento com uma mulher, inseminação ou Fertilização in
vitro, se com homem, óvulos doados e útero de substituição.
Se você não guardou o esperma, e não fez cirurgia afeando os genitais, poderia parar os hormônios e
aguardar a volta da produção de espermatozoides, habitualmente, pode levar de 3 a 5 meses. Alguns
casos podem não ser reversíveis.

Se você tem como parceiro um Homem, deverá recorrer a uma doação de óvulos e útero de
substituição. Se sua parceira é uma mulher, você pode usar um banco de esperma.

Todas estas informações foram disponibilizadas, para melhor compreensão, de como a Medicina da
Reprodução, pode ajudar àqueles que desejam ter filhos, independentemente de sua orientação sexual.
Todo ser humano tem direito a ser feliz, cada um da maneira que melhor achar.

Leia mais

Livro do Dr. Luiz Fernando Dale

Crescei e Multiplicai-vos e se não der certo – Tudo que você precisa saber sobre Fertilidade O livro divide um pouco da experiência de mais de 30 anos na área da Reprodução Humana do especialista Dr. Luiz Fernando Dale.

Já nas Melhores Livrarias.

Compre agora online no site da Livraria da Travessa >> https://goo.gl/3yNfgq

Quando nos deparamos com uma dificuldade na vida, a primeira atitude é de medo, ansiedade, tensão. Neste momento cada indivíduo reage de uma maneira. Uns enfrentam com coragem e determinação, outros paralisam diante da situação e alguns se fecham e recuam. Muito desse medo acontece por falta de informação ou por preconceito. Quando nos tornamos cientes ou familiarizados com um assunto, ele passa a não ser mais um bicho de sete cabeças. No livro são abordadas as dúvidas mais frequentes sobre reprodução humana de uma de forma coloquial e direta e faz com que o passo a passo de um tratamento de fertilidade para o casal seja desmistificado. Nos capítulos veremos também um pouca da trajetória profissional do Dr. Luiz Fernando Dale e nos emocionaremos com histórias reais de mãe e pais que conseguiram realizar os seus sonhos.

Leia mais